Abandono escolar

O abandono escolar diz respeito à saída precoce da escola, geralmente, sem acabar o ensino obrigatório.

escola ao abandono

Abandono escolar

O abandono escolar diz respeito à saída precoce da escola, geralmente, sem acabar o ensino obrigatório. O processo de abandono, acaba, quase invariavelmente, por trazer graves repercussões na vida futura do indivíduo.

Os estudos de Dowson, McInereney, Nelson e Vickers (2005) acerca do abandono escolar indicam que o mesmo se associa a questões sobre educação, política e público em geral, que influenciam os comportamentos de determinados tipos de indivíduos, isto é, minorias sociais, e dependendo de localidade para localidade. A revisão da literatura indica ainda que questões familiares relacionadas com divórcios, podem aumentar a tendência para o abandono escolar (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

Ao falar de minorias sociais, os autores referem-se a minorias étnicas e raciais (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

Contudo, não se trata apenas de minorias sociais incluídas em grupos étnicos ou raciais, mas também, como se pode observar em algumas investigações realizadas nos Estados Unidos da América (EUA), em indivíduos totalmente excluídos da sociedade, isto é reclusos (Freeney, & O’Connel, 2009). Estudos feitos junto dos mesmos, demonstraram que a maioria deles tinha ou um extremamente baixo grau académico, ou, em muitos casos, eram mesmo analfabetos (Freeney, & O’Connell, 2009). Além disso, verificou-se que a maioria daqueles que se encontravam em situação de desemprego, tinha histórias de vida com relato d abandono escolar (Freeney, & O’Connell, 2009).

Outros preditores do abandono escolar

É importante saber que, muitas vezes, a motivação para frequentar a escola, está diretamente associada às habilitações gerais da família, o que nos mostra que, muitas vezes, um baixo grau académico geral, pode desmotivar o interesse pela mesma, ou mesmo, a necessidade de entrar no mercado de trabalho precocemente para ajudar, financeiramente, em casa (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005). Falamos aqui de situações provenientes do nível sócio económico (NSE) que podem colocar em causa a permanência do indivíduo na escola, ou não (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

Indo ao encontro da teoria dos autores, outros estudos demonstram que o grau académico e ainda a qualidade de vida, são fortes preditores do interesse pela escola, muito embora, o abandono escolar acabe por trazer repercussões futuras, na vida estes indivíduos (Freeney, & O’Connell, 2009).

Nesse sentido, observa-se uma forte e direta relação entre o baixo nível de escolaridade e desvantagens ao nível da educação, bem como maiores graus de pobreza, o que se traduz em dificuldades pessoais e altos custos ao nível do NSE (Freeney, & O’Connell, 2009). Alguns indicadores acerca do abandono escolar, demonstram mesmo que, muitos indivíduos vivem abaixo do limiar da pobreza devido ao baixo nível de habilitações (Freeney, & O’Connell, 2009).

Como intervir?

Quando falamos em abandono escolar, não podemos deixar de referir também a preocupação que o mesmo provoca, tanto para o ensino como para a educação de uma forma geral, o que nos remete para a necessidade de falar acerca do papel de pais, professores, educadores, e outros elementos da comunidade escolar (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

De referir que é preciso compreender se existem diferenças de género quando se procura compreender o fenómeno do abandono escolar (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

A propósito desta temática, Freeney e O’Connell (2009) indicam que as falhas existentes no contexto de ensino, tais como inadaptação do mesmo a diferenças individuais, acabam por “estragar” alguns alunos porque têm dificuldades em compreender as suas características pessoais.

Deste modo, é importante investir na intervenção junto de crianças e jovens que se encontrem em risco de abandono escolar, começando por compreender os motivos do seu desinteresse e procurando, junto do psicólogo escolar, encontrar estratégias que possam contrariar a tendência em questão (Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

Uma das primeiras análises a fazer no que diz respeito à intervenção do psicólogo junto de alunos em risco de abandono, é a avaliação de diferentes variáveis individuais:

  • Autoestima;
  • Existência de uma identificação pessoal com o meio escolar ou não;
  • Autoconceito académico, que se traduz na noção da auto eficácia;
  • Aspirações e os objetivos futuros destes alunos.

(Dowson, McInerney, Nelson, & Vickers, 2005).

De acordo com as teorias de Freeney e O’Connell (2009), o abandono escolar, mais do que de um fenómeno, trata-se de um processo, ou seja, o indivíduo não abandona a escode forma radical, ele vai perdendo o interesse pela mesma, o que o leva a criar cada vez maior descomprometimento, principalmente devido a perspectivas de emprego.

Conclusão

De acordo com a revisão da literatura podemos compreender que o abandono escolar se relaciona com diferentes variáveis como: grau académico da família em geral, NSE, minorias sociais, entre outras. Quanto à intervenção junto de alunos em risco de abandono, os estudos indicam a necessidade imperativa de mobilizar toda a comunidade escolar, para colmatar falhas acerca da adaptação do ensino às diferenças individuais dos seus alunos bem como a participação ativa de todos os seus elementos.

413 Visualizações 2 Total

References:

413 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter