Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Reportagem Televisiva

A reportagem televisiva é um género jornalístico que consiste na narração de uma determinada história em palavras, imagens e sons.

 

Como o nome indica, o conceito de reportagem televisiva remete à definição de reportagem. Uma reportagem televisiva tem como meio de difusão a televisão. É a representação de uma realidade através de palavras, imagens e sons e baseia-se em testemunhos reais de pessoas que vivenciaram uma determinada experiência ou que têm uma determinada história de vida para contar.

A reportagem televisiva requer que o Jornalista: 1. Identifique o tema, 2. Recolha informações, 3. Selecione as informações mais relevantes, 4. Hierarquize a informação por ordem de importância para a reportagem e por fim, 5. Que monte a reportagem final. Estas são as fases para a construção de uma reportagem televisiva.

No primeiro passo o Jornalista tem que identificar o tema e tentar entendê-lo ao máximo, saber as implicações do mesmo, as causas e as consequências que determinado acontecimento ou história teve na vida da pessoa e saber os seus desdobramentos. Deve também consultar publicações anteriores (se existirem) sobre o tema. Na segunda fase, a recolha de informações, o Jornalista deve in loco ou não, anotar todos os testemunhos que considerar relevantes para construção da reportagem, anotar e gravar tudo o que vê e o que ouve e que possa ser útil para a imagem final do seu trabalho. Após a recolha deverá definir campos de ação e perceber qual a estrutura de reportagem que mais se adequa ao tema. Na terceira fase, a seleção das informações, o Jornalista e a sua equipa de produção devem visualizar todas as imagens obtidas, ainda em bruto, consultar os apontamentos, decidir o que é ou não relevante para a construção e narração da história e identificar quais os excertos de imagens que vão utilizar. Na etapa seguinte, a hierarquização da informação, devem ordenar-se os conteúdos por ordem de importância quer sejam as imagens recolhidas no local quer sejam as anotações que irão fazer parte da narração da peça jornalística. Na última parte, a montagem da reportagem, o Jornalista já terá uma ideia dos conteúdos que quer incorporar na reportagem, no entanto é importante criar-se um guião da reportagem que defina o ângulo de abordagem que o Jornalista pretende dar, as áreas de desenvolvimento da reportagem, a sua estrutura e por fim o remate ou conclusão.

O guião é o guia para o Jornalista montar a reportagem e como tal é uma das peças fundamentais para que a informação seja bem aproveitada e que a reportagem cumpra o seu objetivo principal. Primeiro define-se o ângulo de abordagem, que condiciona o enquadramento do tema e o seu desenvolvimento, ou seja, o Jornalista escolhe qual é o caminho que quer que o espectador siga através do encadeamento das ideias. O ângulo de abordagem pode ter três critérios: o critério visual, em que a reportagem começa pela imagem mais forte e mais relevante e provoca curiosidade e admiração ao espectador logo de início. O critério material, em que a reportagem começa pela informação mais relevante do ponto de vista jornalístico e confere um imediato interesse ao espectador, prendendo-o ao conteúdo que virá a seguir e por fim o critério formal, em que a reportagem começa com a descrição das pessoas intervenientes, dos ambientes, dos sons, cheiros, etc…o que confere um certo mistério ao espectador ainda na fase inicial.

Outra coisa a ter em conta na montagem da reportagem é a estrutura. Existem vários tipos de estruturas: a estrutura circular, que começa e acaba com o mesmo ângulo, criando assim um ciclo fechado em toda a peça e conferindo uma ideia de princípio, meio e fim nos acontecimentos; A estrutura cronológica, que como o nome indica, submete-se ao relato dos acontecimentos consoante o tempo, não hierarquizando a informação consoante a sua importância mas sim consoante a realidade temporal; A estrutura invertida, que começa pelo fim e vai recuando no tempo até à origem da história ou dos acontecimentos. Esta estrutura não hierarquiza a informação e não é usada regularmente; Existe também a estrutura cronológica mista em que a informação é hierarquizada por relevância jornalística e arrumada por ordem cronológica no seguimento da reportagem. É muito utilizada narração de acontecimentos históricos ou efemérides. Por fim existe ainda a estrutura da pirâmide invertida em que a informação é hierarquizada começando pela mais importante e acabando na menos importante.

Em suma, a reportagem televisiva é uma reportagem de retrato de pessoas, situações, ambientes transmitida na televisão e apoiada em palavras, imagens e sons.

57 Visualizações 1 Total
57 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter