Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Filosofia (conceito, definição, significado)

Conceito de Filosofia

Não é fácil, mesmo para os próprios filósofos, encontrar uma definição para a filosofia. Há mesmo quem defenda que a sua definição constitui o primeiro grande problema para a própria filosofia. Tal não significa, contudo, que não exista uma resposta para a questão “o que é a filosofia?”. O problema é que existe muitas respostas e nenhuma delas é unânime: qualquer tentativa de definição enfatiza determinados pontos e desvaloriza outros considerados importantes por outros filósofos. Este facto está intimamente relacionado com o objecto da própria filosofia, isto é, com a realidade que a filosofia procura apreender e que se pode dizer infinitamente variada. Assim, e tal como qualquer outra ciência ou disciplina do conhecimento, a forma mais fácil de definir a filosofia será então procurar identificar o seu objecto.

Objecto da Filosofia

O objecto de uma ciência representa o domínio da realidade, a matéria ou o problema que essa mesma ciência estuda. Relacionado com o objecto científico está o método de estudo utilizado, o qual é definido em função do próprio objecto. Qual é então o objecto da filosofia? Historicamente , esta questão nem sempre foi colocada ou teve razão de existir. Inicialmente, tudo o que era considerado conhecimento científico era considerado como filosofia. Apenas a partir do século XVII, com o nascimento da ciência moderna, começou a existir uma separação entre a ciência e a filosofia. Neste movimento de separação, cada ciência vai-se autonomizando e definindo o seu próprio objecto e método. A questão que se coloca então é a de que se cada ciência vai abarcando uma parcela do “bolo”, o que resta para a filosofia? Continuará a procurar abarcar o todo, ou centrar-se apenas nos “restos” que as restantes ciências não conseguem estudar?. Se o objecto da filosofia são apenas os “restos”, a filosofia será meramente temporária pois à medida que a ciência avança, todos os problemas acabarão por ser explicados do ponto de vista científico; se por outro lado a filosofia é o todo, e este nunca poderá ser dado, o objecto da filosofia estará condenado a ser continuamente procurado. Alguns filósofos atribuem uma posição intermédia à filosofia: não é ciência, não é religião e não é puro senso comum – situa-se algures entre a ciência (racional e definido) e a teologia (baseada na fé e no dogma).

Face às dificuldades de identificação do objecto da filosofia, uma das formas possíveis de o compreender, é analisar o que é feito pelos filósofos ao longo da história e que pode ser sintetizado como uma actividade de reflexão sobre:

  • Questões metafísicas: problemas do ser e da realidade – o Homem como fundamento e suporte de tudo o que existe.
  • Questões lógicas: problemas do pensar.
  • Questões gnoseológicas ou teoria do conhecimento: problemas do conhecimento em geral.
  • Questões epistemológicas, de teoria e filosofia da ciência: problemas do conhecimento científico e da ciência – enquanto as outras ciências conhecem, a filosofia estuda a possibilidade do próprio conhecimento, os seus pressupostos e os limites do conhecimento possível.
  • Questões de axiologia, ética, filosofia política, estética, etc.: problemas dos valores e da acção humana – ao contrário das outras ciências que estudam o que é, a filosofia estuda o que deve ser.
  • Questões de filosofia da linguagem: problemas da linguagem – a filosofia estuda a linguagem das outras ciências na perspectiva da sua estrutura.
17575 Visualizações 9 Total
17575 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter