Procuramos Delegados Comerciais

(M/F)

 

Procuramos colaboradores com espírito empreendedor para angariação de anunciantes e patrocinadores para a Knoow.net.

Portugal e Brasil

Comissões até 33%

Total flexibilidade de horários

Candidaturas com CV para geral@knoow.net

 

 

 

 

Ácido ascórbico – Vitamina C

O que é o Ácido ascórbico (ou Vitamina C), quais as suas funções no organismo, quais as principais fontes de vitamina C, qual a dose recomendada e quais as consequências da sua carência…

A vitamina C, também conhecida como ácido ascórbico, é uma vitamina hidrossolúvel que apresenta atividade antioxidante. Na década de 30 do século passado, este composto foi identificado como um fator anti-escorbuto e, daí, deriva o termo ascórbico. A partir desta época, o ácido ascórbico passou a ser usado para a prevenção e tratamento do escorbuto, uma doença que resulta da carência da vitamina C e provoca ferimentos nas gengivas.

O ácido ascórbico é sintetizado pelas plantas e, por isso, está naturalmente presente na grande maioria das frutas e vegetais. Vários animais também são capazes de produzir a vitamina C mas ela não pode ser sintetizada ou armazenada pelos seres humanos pelo que tem de ser obtida pela dieta. Os humanos e outros primatas carecem a enzima gulonolactona oxidase que catalisa o último passo enzimático na síntese do ácido ascórbico.

A vitamina C refere-se a todos os compostos que exibem a atividade biológica equivalente do ácido L-ascórbico, inclusive os seus produtos de oxidação (como o ácido desidroascórbico), os seus isómeros (como o ácido isoascórbico), a sua forma derivada de éster (como o palmitato de ascorbilo) e as formas sintéticas (como o 6-desoxi-L-ascorbato ou o 2-fosfato-L-ascorbato).

A vitamina C aparece nos alimentos sob duas formas principais:

  1. o ácido L-ascórbico (L-AA) – a forma reduzida;
  2. e o ácido desidroascórbico (DHAA) – a forma oxidada.

A forma maioritária encontrada nos produtos hortícolas frescos está na forma reduzida, sendo que o DHAA representa menos de 10% do ácido ascórbico total mas o seu conteúdo tende a aumentar durante o armazenamento dos alimentos. Efetivamente, o ácido L-ascórbico é rapidamente oxidado a DHAA e esta oxidação pode ser induzida pela exposição a temperaturas e pH elevados, à luz, à presença de oxigénio ou de metais (como Fe3+, Ag+, Cu2+) e por ação enzimática.

Funções no organismo

A forma reduzida do ácido ascórbico é de longe a mais predominante encontrada no plasma e tecidos. No corpo humano adulto, o ácido ascórbico apresenta uma semivida de cerca 10 a 20 dias. A sua principal via de excreção é através da urina predominantemente sob a forma de metabolitos como o DHAA, o ácido 2,3-cetogulónico e o ácido oxálico.

O ácido ascórbico é um potente antioxidante ou agente redutor que é capaz de eliminar radicais livres das espécies reativas de oxigénio (ROS) e de azoto (RNS) que têm o potencial para danificar os ácidos nucleicos e promover a carcinogénese. O ácido ascórbico reage com os ROS, neutraliza-os e converte-se no radical semi-hidroascorbato que é pouco reativo.

A vitamina C desempenha um papel crucial na produção de colagénio, uma proteína fibrosa importante que compõe o tecido conjuntivo.

A vitamina C está envolvida em muitos outros processos metabólicos como a absorção de ferro, síntese de carnitina, síntese de alguns hormonas e neurotransmissores e função imunitária, etc.

Dose diária recomendada e fontes alimentares

Esta é uma das vitaminas mais abundantes nos alimento mas está entre as mais sensíveis ao processamento dos alimentos. Boas fontes de vitamina C incluem batatas, citrinos, tomate, sumos de fruta enriquecidos, kiwis, morangos, brócolos, couves, espinafres, etc.

O ácido ascórbico é produzido industrialmente a partir de D-sorbitol para ser usado na indústria alimentar, na produção da ração animal e no sector farmacêutico e também é vendido ao público como suplemento alimentar.

Os aditivos alimentares encontrados nos alimentos são identificados como:

  1. E 300 – ácido ascórbico;
  2. E 301 – ascorbato de sódio;
  3. E 302 – ascorbato de cálcio.

A dose diária recomendada é:

  1. 90 mg para homens adultos;
  2. 75 mg para mulheres adultas;
  3. 85 mg para mulheres grávidas;
  4. 120 mg para mulheres em lactação.

Carência

A carência de vitamina C compromete síntese de colagénio que pode levar ao desenvolvimento do escorbuto. Apesar dos grandes avanços no tratamento desta doença, continuam a ocorrer alguns casos, sobretudo indivíduos alcoólicos com alimentação desequilibrada.

5492 Visualizações 2 Total

References:

  • Du, J., Cullen, J.J., Buettner, G.R. (2012). Ascorbic acid: Chemistry, biology and the treatment of cancer. Biochimica et Biophysica Acta, 1826: 443–457.
  • Pimentel, L. (2003). Scurvy: Historical Review and Current Diagnostic Approach. American Journal of Emergency Medicine, 21(4): 328-332.
  • Spínola, V., Llorent-Martínez, E.J., Castilho P.C. (2014). Determination of vitamin C in foods: Current state of method validation. Journal of Chromatography A, 1369: 2–17.
5492 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.