Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Ácido ascórbico – Vitamina C

O que é o Ácido ascórbico (ou Vitamina C), quais as suas funções no organismo, quais as principais fontes de vitamina C, qual a dose recomendada e quais as consequências da sua carência…

A vitamina C, também conhecida como ácido ascórbico, é uma vitamina hidrossolúvel que apresenta atividade antioxidante. Na década de 30 do século passado, este composto foi identificado como um fator anti-escorbuto e, daí, deriva o termo ascórbico. A partir desta época, o ácido ascórbico passou a ser usado para a prevenção e tratamento do escorbuto, uma doença que resulta da carência da vitamina C e provoca ferimentos nas gengivas.

O ácido ascórbico é sintetizado pelas plantas e, por isso, está naturalmente presente na grande maioria das frutas e vegetais. Vários animais também são capazes de produzir a vitamina C mas ela não pode ser sintetizada ou armazenada pelos seres humanos pelo que tem de ser obtida pela dieta. Os humanos e outros primatas carecem a enzima gulonolactona oxidase que catalisa o último passo enzimático na síntese do ácido ascórbico.

A vitamina C refere-se a todos os compostos que exibem a atividade biológica equivalente do ácido L-ascórbico, inclusive os seus produtos de oxidação (como o ácido desidroascórbico), os seus isómeros (como o ácido isoascórbico), a sua forma derivada de éster (como o palmitato de ascorbilo) e as formas sintéticas (como o 6-desoxi-L-ascorbato ou o 2-fosfato-L-ascorbato).

A vitamina C aparece nos alimentos sob duas formas principais:

  1. o ácido L-ascórbico (L-AA) – a forma reduzida;
  2. e o ácido desidroascórbico (DHAA) – a forma oxidada.

A forma maioritária encontrada nos produtos hortícolas frescos está na forma reduzida, sendo que o DHAA representa menos de 10% do ácido ascórbico total mas o seu conteúdo tende a aumentar durante o armazenamento dos alimentos. Efetivamente, o ácido L-ascórbico é rapidamente oxidado a DHAA e esta oxidação pode ser induzida pela exposição a temperaturas e pH elevados, à luz, à presença de oxigénio ou de metais (como Fe3+, Ag+, Cu2+) e por ação enzimática.

Funções no organismo

A forma reduzida do ácido ascórbico é de longe a mais predominante encontrada no plasma e tecidos. No corpo humano adulto, o ácido ascórbico apresenta uma semivida de cerca 10 a 20 dias. A sua principal via de excreção é através da urina predominantemente sob a forma de metabolitos como o DHAA, o ácido 2,3-cetogulónico e o ácido oxálico.

O ácido ascórbico é um potente antioxidante ou agente redutor que é capaz de eliminar radicais livres das espécies reativas de oxigénio (ROS) e de azoto (RNS) que têm o potencial para danificar os ácidos nucleicos e promover a carcinogénese. O ácido ascórbico reage com os ROS, neutraliza-os e converte-se no radical semi-hidroascorbato que é pouco reativo.

A vitamina C desempenha um papel crucial na produção de colagénio, uma proteína fibrosa importante que compõe o tecido conjuntivo.

A vitamina C está envolvida em muitos outros processos metabólicos como a absorção de ferro, síntese de carnitina, síntese de alguns hormonas e neurotransmissores e função imunitária, etc.

Dose diária recomendada e fontes alimentares

Esta é uma das vitaminas mais abundantes nos alimento mas está entre as mais sensíveis ao processamento dos alimentos. Boas fontes de vitamina C incluem batatas, citrinos, tomate, sumos de fruta enriquecidos, kiwis, morangos, brócolos, couves, espinafres, etc.

O ácido ascórbico é produzido industrialmente a partir de D-sorbitol para ser usado na indústria alimentar, na produção da ração animal e no sector farmacêutico e também é vendido ao público como suplemento alimentar.

Os aditivos alimentares encontrados nos alimentos são identificados como:

  1. E 300 – ácido ascórbico;
  2. E 301 – ascorbato de sódio;
  3. E 302 – ascorbato de cálcio.

A dose diária recomendada é:

  1. 90 mg para homens adultos;
  2. 75 mg para mulheres adultas;
  3. 85 mg para mulheres grávidas;
  4. 120 mg para mulheres em lactação.

Carência

A carência de vitamina C compromete síntese de colagénio que pode levar ao desenvolvimento do escorbuto. Apesar dos grandes avanços no tratamento desta doença, continuam a ocorrer alguns casos, sobretudo indivíduos alcoólicos com alimentação desequilibrada.

2310 Visualizações 2 Total

References:

  • Du, J., Cullen, J.J., Buettner, G.R. (2012). Ascorbic acid: Chemistry, biology and the treatment of cancer. Biochimica et Biophysica Acta, 1826: 443–457.
  • Pimentel, L. (2003). Scurvy: Historical Review and Current Diagnostic Approach. American Journal of Emergency Medicine, 21(4): 328-332.
  • Spínola, V., Llorent-Martínez, E.J., Castilho P.C. (2014). Determination of vitamin C in foods: Current state of method validation. Journal of Chromatography A, 1369: 2–17.
2310 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo