Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Acromegalia

A acromegalia é considerada como uma Síndrome causada pelo aumento da hormona de crescimento.

acromegalia

A acromegalia é considerada como uma síndrome causada pelo aumento da hormona de crescimento. É uma doença rara que acontece em 3 ou 4 casos em 1 milhão.

Trata-se de uma doença debilitante e desfigurante decorrente, que ocorre com a mesma frequência em homens e mulheres (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003). Pode ser diagnosticada em qualquer idade, porém é mais comum entre os 30 e 50 anos de idade (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Em função do caráter insidioso da acromegalia e da falta de conhecimento por parte da população acerca das caraterísticas da doença, o diagnóstico é frequentemente realizado cerca de 8 a 10 anos após o aparecimento dos primeiros sinais e sintomas (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Os doentes apresentam uma alteração fenotípica marcante devido ao crescimento das proeminências ósseas e hipertrofia dos tecidos moles além de hiperidrose, bócio e osteoartrite (Rojas, Lancheros, & Tapiero, 2015). Alguns dos sintomas são a síndrome do túnel do carpo, fadiga, alterações visuais, apneia do sono, distúrbios reprodutivos e doenças cardiovasculares (Rojas, Lancheros, & Tapiero, 2015). Podemos observar, na presença de a hipertrofia cardíaca, hipertensão e arritmias, insuficiência cardíaca congestiva frequente, que pode evoluir para um aumento de risco de mortalidade (Rojas, Lancheros, & Tapiero, 2015). Os principais determinantes da mortalidade em pacientes com acromegalia indicam que 60% morrem de doenças cardiovasculares e doença respiratória 25% e 15% por malignidade (Rojas, Lancheros, & Tapiero, 2015).

Complicações respiratórias representam a segunda causa de morte por acromegalia, respondendo por 25% das mortes (Rojas, Lancheros, & Tapiero, 2015). Os pacientes podem apresentar deformidades dos ossos faciais, macroglossia, edema e hipertrofia da mucosa e das cartilagens da laringe, colapso inspiratório da hipofaringe e pneumomegalia (aumento do número de alvéolos) (Rojas, Lancheros, & Tapiero,  2015).

 O estreitamento das vias aéreas pode causar dificuldade na intubação traqueal durante a indução anestésica, como se verifica em pacientes que apresentam insuficiência respiratória aguda no quarto dia de pós-operatório em função de um granuloma subglótico secundário ao trauma da mucosa durante a intubação traqueal (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Tratamento

A acromegalia é uma patologia que causa morbidade e diminuição da expetativa de vida, o que torna fundamental um tratamento efetivo e seguro, capaz de normalizar a taxa de mortalidade para a esperada de acordo com a idade e o sexo do paciente (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003). Na maioria das vezes, isto não é possível com apenas uma modalidade terapêutica, sendo necessário um tratamento multidisciplinar que envolve a participação de endocrinologistas, neurocirurgiões e médicos especialistas em radioterapia. (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003). Atualmente, o tratamento é considerado efetivo quando preenche os critérios de cura estabelecidos no consenso de doença clinicamente inativa (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003). Outras metas do tratamento são a redução da massa tumoral com preservação da função adeno-hipofisária, prevenção da recorrência tumoral e controle das complicações cardiovasculares, respiratórias e metabólicas (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Cirurgia

A cirurgia transesfenoidal é o tratamento primário de escolha para acromegalia utilizando a via nasal nos doentes do ambulatório de pesquisa em acromegalia (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

 A craniotomia é indicada muito raramente (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

 Não há dados definitivos na literatura se a utilização de recursos técnicos como a neuronavegação e a intraoperatória melhoram o resultado cirúrgico sem aumentar a taxa de complicações, em que alguns serviços de neurocirurgia utilizam o endoscópio durante a cirurgia (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Contudo este recurso não parece melhorar o resultado cirúrgico (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Medicação

Donangelo, Une e Gadelha (2003) referem que a terapia medicamentosa atualmente representa a segunda opção de tratamento, após resseção cirúrgica do adenoma hipofisário.

A maioria dos doentes com acromegalia tem tumores que não são totalmente ressecados, e necessitam de terapia complementar após a cirurgia para normalizar os níveis circulantes e manter o sangue em níveis seguros (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Os análogos de somatostatina, os agonistas dopaminérgicos e os antagonistas do recetor são os grupos de drogas disponíveis para esta finalidade (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003). A somatostatina exerce sua ação na célula através da sua ligação a recetores específicos, que foram descritos cinco subtipos estão presentes no tecido hipofisário normal, enquanto nos somatotropinomas predomina a expressão dos subtipos (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Os somatotropinomas podem expressar recetores de somatostatina numa concentração maior que a hipófise normal adjacente (Donangelo, Une, & Gadelha, 2003).

Por outro lado, Donangelo, Une e Gadelha (2003) fazem a ressalva que alguns tumores podem não expressar qualquer subtipo de recetor de somatostatina ou expressar recetores mutantes, levando à resistência à terapia com análogos de somatostatina.

Conclusão

A acromegalia caracteriza-se, principalmente, pelo crescimento excessivo, apenas nas partes moles e nos ossos. Esta síndrome obriga ao tratamento e medicação apesar de ser fatal na maior parte dos casos devido a problemas respiratórios ou problemas cardiovasculares.

.

Nota importante:
Este texto é meramente descritivo e não constitui nem substitui aconselhamento médico.
527 Visualizações 1 Total

References:

  • Donangelo, I., Une, K., & Gadelha, M. (2003). Diagnóstico e Tratamento da Acromegalia no Brasil. Arq Bras Endocrinal Metab vol 47 nº4 Agosto 2003;
  • Rojas, W., & Lancheros, A., Tapiero, M. (2015). Descripción de las altraciones cardíacas por ecocardiografia de los pacientes com acromegalia. Description of cardiac disorders by echocardiography in patients with acromegaly. Acta Médica Colombiana. Vol.40 Nº1 ~Enero – Marzo 2015.
527 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter