Antivírus

Antivírus é um programa de computador capaz de detetar e eliminar vírus.

A maioria dos vírus de computador escritos no início e meados da década de 1980 eram limitadas à auto-reprodução e não tinham rotinas de dano específico inseridas no seu código. Isso mudou quando mais e mais programadores se familiarizaram com a programação de vírus e criaram vírus que manipulavam os dados ou eliminariam esses mesmos dados nos computadores infetados.

Possivelmente, a primeira remoção publicamente documentada de uma remoção de um vírus num computador foi realizada por Bernd Fix em 1987. Houve também dois programas de antivírus para a plataforma Atari ST desenvolvida em 1987. O primeiro foi o G Data e o segundo foi o UVK 2000.

Fred Cohen, que publicou um dos primeiros trabalhos académicos sobre os vírus de computador em 1984, começou a desenvolver estratégias de software de antivírus em 1988 que foram usadas e continuadas por posteriores desenvolvedores de software de antivírus. Em 1987, ele publicou uma demonstração de que não há nenhum algoritmo que consiga detetar todos os vírus possíveis.

Em 1987 os dois primeiros programas de antivírus foram lançados: FluShot Plus por Ross Greenberg e Anti4us por Erwin Lanting.

Também em 1988 uma lista de discussão chamada VÍRUS-L foi iniciada na rede BITNET/EARN onde foram discutidos novos vírus e as possibilidades de detetar e eliminar esses vírus. Alguns membros desta lista de discussão, como John McAfee ou Eugene Kaspersky mais tarde fundaram empresas de software que desenvolveram e venderam software de antivírus comercial.

Antes da conetividade através da internet ser global, os vírus eram normalmente transmitidos por disquetes infetadas. O software de antivírus entrou em uso, mas era atualizado com pouca frequência. Durante esse tempo, as pessoas responsáveis pela verificação de vírus, essencialmente, tinham que verificar arquivos executáveis ​​e setores de inicialização de disquetes e discos rígidos. No entanto, como o uso da Internet tornou-se comum, os vírus começaram a espalhar-se online.

Ao longo dos anos tornou-se necessário o software de antivírus verificar uma crescente variedade de arquivos, em vez de apenas executáveis, por várias razões:

  • Macros poderosas utilizadas num processador de texto, como o Microsoft Word, apresentaram um risco. Os criadores de vírus poderiam usar as macros para escrever vírus incorporados dentro de documentos. Isto significava que os computadores poderiam agora também estar em risco de infeção por abrir documentos anexados com macros escondidas.
  • A possibilidade de incorporação de objetos executáveis ​​dentro de formatos de arquivo não-executáveis ​​podem fazer com que a execução desses arquivos se tornem um risco.
  • Programas de correio eletrónico, em particular o Outlook Express e Outlook, eram vulneráveis ​​a vírus incorporados no próprio corpo do correio eletrónico. O computador de um utilizador comum pode ser infetado apenas ao abrir ou pré-visualizar uma mensagem. As conexões de banda larga se tornaram a norma, e mais e mais vírus foram libertados. A maioria dos programas de antivírus seriam melhor descritos como “anti-malware ‘, uma vez que muitas vezes são projetados para proteger contra worm’s, cavalos de Tróia e da maioria dos outros tipos de software malicioso, bem como os vírus.

Alguns até protegem contra spyware, mas não faz mal ter um programa anti-spyware instalado em separado também.
O Spyware é instalado no seu computador e pode perturbar o sistema com janelas pop-up não solicitadas e até mesmo literalmente ‘espiar’ o computador, enviando secretamente as informações pessoais para os criminosos.

Um bom software anti-spyware é projetado tanto para remover qualquer spyware que deteta no computador como evitar que mais spyware seja instalado.

Ele deve funcionar de duas formas, fornecendo proteção em tempo real de infeção por spyware, ao mesmo tempo, permitindo-lhe realizar análises de sistema regulares, de preferência como parte de uma agenda de segurança automática em curso.

Enquanto muitos produtos de antivírus agora também incluem proteção contra spyware, os programasmais dedicados a anti-spyware não costumam proteger contra vírus.

A maioria dos programas de antivírus identificam o malware através da comparação de assinaturas para um banco de dados embutido de tipos conhecidos de software malicioso. Esta base de dados tem de ser atualizada até à data, a fim de garantir a proteção, que é por isso que é vital fazer a transferência das atualizações assim que elas estiverem disponíveis.

357 Visualizações 1 Total
357 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo