Robert Merton

Robert Merton (1910-2003) foi um sociólogo norte-americano, agraciado com o Prémio Nobel da Economia em 1997.

Robert Merton (1910-2003) foi um sociólogo norte-americano, considerado pioneiro na sociologia da ciência e explorando o modo como os cientistas se comportam, o que os motiva, recompensa e intimida. Foi agraciado com o Prémio Nobel da Economia em 1997.

Nasceu na Filadélfia, nos Estados Unidos. Filho de imigrantes de origem judaica, nascido Meyer R. Schkoinick, com 14 anos mudou o seu nome para Robert Merlin e com 19 para Robert King Merton. Estudou na South Philadélphia High School. Era frequentador assíduo da Andrew Camegie Library, da Bibloteca Central e do Museu de Artes.

Em 1927, com uma bolsa de estudos, ingressou na Temple University, tendo como tutor o sociólogo George E. Simpson Em 1931 concorreu a uma bolsa de estudos em Harvard para trabalhar como aluno assistente do sociólogo Pitirim Sorokin, fundador do recém-criado departamento de sociologia. Em 1936, após a conclusão de sua dissertação “Science, Technologgy and Society in the Seventeenth-century Englad”, lecionou em Harvard até 1939. Em seguida passou a lecionar e chefiar o departamento de sociologia da Universidade de Tulane. Em 1941 ingressou na Columbia University, como professor de sociologia. Em 1957 foi eleito Presidente da Associação Americana de Sociólogos.

Merton tinha uma brilhante carreira académica, reconhecida tanto por sua excelência no ensino e na sua obra teórica em sociologia. Sua abordagem tomou a forma de teoria de médio alcance, através do qual ele acreditava que poderíamos entender fenómenos sociais específicos. Segundo Merton, uma teoria de médio alcance começa com aspectos delimitados dos fenómenos sociais, em vez de largo, entidades abstrata tais como a sociedade. Teorias de médio alcance devem ser construídas com referência aos fenómenos que são observáveis, a fim de gerar uma série de problemas teóricos, bem como para ser incorporado nas proposições que permitem o teste empírico. Exemplos de teorias de médio alcance incluem teorias de mobilidade social e Emile Durkheim, a teoria de suicídio.

A carreira académica de Robert Merton acompanhou a evolução e aceitação da sociologia como disciplina académica. O sociólogo desenvolveu diversas teorias, entre elas a “Teoria Geral da Anomia”, que foi transformado em sua obra clássica “Teoria e Estrutura Social”. O conceito de anomia foi estabelecido por Émile Durkheim em suas obras: Da Divisão do Trabalho Social e O Suicídio, quando empregava o termo para mostrar que algo na sociedade não funciona de forma harmónica. Para Robert Merton anomia é um estado de falta de objetivos e de perda da identidade. A teoria da anomia insere-se dentro das teorias designadas funcionalistas, que considera a sociedade como um todo orgânico.

Foi diretor adjunto da Mesa da universidade de Pesquisa Social Aplicada 1942-1971. Ele era um membro do corpo docente adjunto na Universidade Rockefeller, e foi também o primeiro Foundation Scholar na Russell Sage Foundation. Ele se aposentou em 1984. Em reconhecimento à sua contribuição duradoura para a bolsa e com a universidade de Columbia estabeleceu a Robert K. Merton Professorado em Ciências Sociais em 1990.

Ao estudar as consequências provenientes da burocracia – como forma de associação humana, baseada na racionalidade (na adequação dos meios ao fim), buscando a máxima, notou a presença de consequências indesejáveis às quais chamou de disfunções da burocracia, que levam à ineficiência e às imperfeições. Entre suas obras destacam-se: “Sociologia: Teoria e Estrutura”, “The Sociology of Science” e “On Social Structure and Science”.

Merton introduziu conceitos relevantes para o campo, entre eles profecia auto-realizadora e consequências não intencionais . Merton também cunhou o termo “obliteração” pelo termo “incorporação”, quando um conceito se torna tão popularizado que seu inventor é esquecido. Neste processo de “apagamento por incorporação”, tanto a ideia original e as formulações literal do que são esquecidos devido ao uso prolongado e generalizado, e entra em linguagem corrente (ou pelo menos a linguagem do quotidiano de uma determinada disciplina académica), já não estar ligada à sua origem. Assim, eles tornam-se semelhantes ao conhecimento comum.

Merton também introduziu o termo “múltiplo” para descrever independente descobertas similares na ciência. Estes são casos em que descobertas semelhantes são feitas por cientistas que trabalham independentemente uns dos outros.

Robert Merton faleceu em Nova York, Estados Unidos em 2003.

1395 Visualizações 2 Total

References:

Karier, Thomas (2011). Intellectual Capital – Forty years of the Nobel Prize in Economics, Cambridge: Cambridge University Press.

1395 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.