Art Nouveau

Art Nouveau (Arte Nova), designa um movimento artístico que surgiu entre 1890 e a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) na Europa e nos Estados Unidos. A Art Nouveau foi um movimento artístico com especial desenvolvimento na arquitectura e nas artes decorativas, dando inicio às arte aplicada, à industria, ao design, às artes gráficas, ao mobiliário e ao design de produto.

O termo tem origem na galeria parisiense L’Art Nouveau, aberta em 1895 pelo comerciante de arte e coleccionador DE arte, Siegfried Bing. O projecto de redecoração da casa de Bing por arquitectos e designers modernos é apresentado na Exposição Universal de Paris de 1900, conferindo visibilidade e reconhecimento internacional ao movimento.

O nome Art Nouveau é de origem francesa e significa “Arte nova”, mas o movimento também é reconhecido por Jugendstil, [ˈjuːɡn̩tʃtiːl ], alemão para “estilo da juventude”, nome que recebeu devido à revista Jugend.

O Art Nouveau é um estilo eminentemente internacional, adoptando diferentes nomes dependendo dos diversos países onde se manifestou: Style Coup de Fouet (estilo golpe de chicote) na Bélgica; Modern Style (estilo moderno) na Inglaterra; jugendstil (estilo da juventude) na Alemanha; Sezessionstil na Áustria; Style Liberty (estilo livre) na Itália ou Arte Nova em Portugal.

A Art Nouveau surgiu como uma reacção ao historicismo da arte académica do século XIX e ao sentimentalismo e expressionismo lírico dos românticos, e visa adaptar-se à vida quotidiana, às mudanças sociais e ao ritmo acelerado da vida moderna.

A Art Noveau preocupava-se com a originalidade da forma e valorizava a lógica e a racionalidade das ciências e da engenharia, estando directamente relacionada com a Segunda Revolução Industrial e com a exploração dos novos materiais do mundo moderno. Amplamente utilizados, como: o ferro, o vidro e o cimento. Nesse sentido, o estilo acompanha de perto os rastros da industrialização e o fortalecimento da burguesia. A Art Nouveau revalorizava a beleza, colocando-a ao alcance de todos, pela articulação estreita entre arte e indústria.

A Art Nouveau está directamente ligada à criação de itens luxuosos com materiais exóticos e raros, tornando-se numa arte única. Muitas escolas foram criadas para incentivar os artesãos a descobrirem as novas tecnologias, para modernizar a produção e aumentar a demanda de artes industriais. A sua adesão à lógica industrial e à sociedade de massas dá-se pela subversão de certos princípios básicos à produção em série, que tende aos materiais industrializáveis e ao acabamento menos sofisticado.

Com a Segunda Revolução Industrial em curso na Europa e com os avanços tecnológicos na área gráfica, como aparecimento de um novo método de impressão que possibilitava a impressão com uma paleta de cores mais abrangente e mais vibrante, permitiu o desenvolvimento das artes gráficas, principalmente na área dos cartazes ilustrados, conseguindo uma execução mais rápida e de um maior número de cópias, permitindo uma grande divulgação destes cartazes, contribuindo para transformar a imagem das cidades, numa representação pictórica, especialmente pública, em estações de metro, pinturas, cartazes, azulejos invadindo toda a cidade.

Encontrando respostas a exigências de simplificação da imagem gráfica, tornando-a mais viva e cativante, valorizando a estrutura como estética, em que o ornamento pertence à própria estrutura, sendo indissociáveis numa continuidade de formas materializando-se através de linhas que identificam a Art Nouveau. Mas sobretudo, a Art Nouveau afirma-se na cidade como uma nova imagem urbana, um sinal de modernidade e de acessibilidade aos seus cidadãos.

Durante este movimento destacam-se vários artistas na concepção do cartaz que propõem liberdade estética e ousadia criativa, aspectos que acompanharam as inovações tecnológicas na produção gráfica. Como fonte de inspiração, surge frequentemente a natureza, a arte oriental e a figura feminina de longos cabelos ondulados, emoldurada por uma decoração floral e traços orgânicos.

A Art Nouveau inspira-se directamente nas formas e estruturas naturais, nas linhas sinuosas e assimétricas das flores e animais. O movimento da linha assume o primeiro plano dos trabalhos, ditando os contornos das formas e o sentido da construção. Os arabescos e as curvas, complementados pelos tons frios, invadem as ilustrações, o mundo da moda, a arquitectura e a decoração dos interiores.

A visualização estrutural da Natureza começa a ganhar importância no meio artístico e arquitectónico, onde cabe aos arquitectos modernos atribuírem uma nova vitalidade à arquitectura, onde a decoração faz parte da arquitectura tendo um cunho pessoal do artista e estando ligada à sensibilidade do próprio artista. Surge a preocupação com a Beleza, do projecto integral do edifício, em que tudo é pensado pelo arquitecto, da estrutura ao mobiliário interior, demonstrando a sua sensibilidade em relação com os materiais e à forma.

O edifício não interrompe o movimento da cidade, a arquitectura não fecha nem segrega, e sim filtra e intensifica a vida. (Argan, 2006, p. 197)

A Arquitectura passa a trabalhar com um sentido unificador que vai desde a estrutura do edifício ao puxador da porta, aos móveis e aos objectos. A Art Nouveau representava uma nova atitude em relação a decoração de interiores e um estilo próprio em arquitectura onde era dado um ênfase especial à estrutura simbólica e abstracta, dando menos importância ao material usado. O arquitecto e projectista belga Victor Horta é um dos grandes artistas deste movimento, era fundamentalmente um decorador que transformava designs individualistas em símbolos da cultura do povo.

O balaústre da escada da Casa Solvay, na Avenida Louise, em Bruxelas, Bélgica, do arquitecto Victor Horta, é um exemplo de extraordinária beleza e representação máxima deste movimento. Horta projectou todo e cada detalhe; móveis, carpetes, iluminação, as mesas e até mesmo a campainha. Utilizou materiais caros como mármore, ónix, bronze, madeiras tropicais e outros mais. Para a decoração da escada, Horta teve a cooperação do pintor pontilhista belga Théo van Rysselberghe.

Victor Horta_Casa Solvay_Bruxelas

Casa Solvay, Victor Horta

Mas o maior expoente da Art Nouveau foi Antonio Gaudí, com a sua obra em Espanha. Gaudí tinha uma procura frenética devido à sua grande originalidade, sentido estético e individualidade criativa. As origens de Gaudí na Arte Gótica estão claramente, presente na evolução da sua obra, exemplo disso, é a majestosa Igreja da Sagrada Família, onde a parte inferior da Igreja exibe um estilo neogótico, que após Gaudí assumir o projecto, ainda nos primeiros anos de construção, foi se transformando num estilo mais Art Nouveau.

Gaudi-sagrada-familia-cathedral

Igreja da Sagrada Família, Gaudi

Os três maiores expoentes Art Nouveau, integrantes da Secessão vienense, são o pintor Gustav Klimt, o arquitecto Joseph Olbrich (responsável, entre outros, pelo Palácio da Secessão, 1898, em Viena) e o arquitecto e designer Josef Hoffmann.

Os trabalhos de Klimt são emblemáticos no modo como a sua pintura se associa directamente à decoração e à ilustração da Art Nouveau. As suas figuras femininas, de tom alegórico e forte sensualidade como por exemplo, o retrato de corpo inteiro de “Emilie Flöge”, 1902, “Judite I”, 1901, ou o enigmático “The Kiss – O Beijo“, que até à actualidade, têm um grande impacto na cultura moderna e na história da arte.

Gustav_Klimt-Art_Nouveau

Gustav Klimt – Art Nouveau

119 Visualizações 1 Total

References:

ARESTIZÁBAL, Irma. John  Graz and the Graz-Gomide family. The Journal of Decorative and Propaganda Arts, 21, 1995

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti. Companhia das Letras, São Paulo, 1992

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. Companhia das Letras, São Paulo, 2006

BENEVOLO, Leonardo. Historia de la arquitectura moderna. Gustavo Gili, Barcelona, 1999

BOWNESS, Alan. Modern European Art. Thames and Hudson, London, 1995

CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. Martins Fontes, São Paulo, 2001

FRAMPTON, Kenneth. Historia crítica de la arquitectura moderna. Gustavo Gili, Barcelona, 2014

HERKENHOFF, Paulo. The jungle in Brazilian modern design. The Journal of Decorative and Propaganda Arts, 21, 1995

LENNING, Henry F. The art nouveau. The Hague: M. Nijhoff, 1951

119 Visualizações

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo