Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

 

A Sagração da Primavera (Stravinsky)

«A Sagração da Primavera»: bailado em duas partes de Igor Stravinsky. Considerações sobre a obra e sobre as razões para o célebre escândalo da estreia.

Apresentação geral

«A Sagração da Primavera» (Quadros da Rússia Pagã) é um bailado em duas partes com música de Igor Stravinsky, libreto de Nicholas Roerich e coreografia de Vaslav Nijinsky. Composto entre 1911 e 1913, foi produzido pela primeira vez por Sergei Diaghilev, para a sua companhia Balllet Russes. A estreia (dirigida por Monteux), que aconteceu no Théâtre des Champs-Elysées, 29 de Maio de 1913, foi motivo de um escândalo, ainda hoje célebre.

O escândalo da estreia: causa(s)

«A Sagração da Primavera» protagonizou aquela que será, seguramente, uma das mais famosas estreias de sempre no mundo do espectáculo, dado ter obrigado à intervenção policial para ser levada a termo. As opiniões sobre a causa de tal comoção dividem-se. Terá sido a música ou a coreografia? É justo separar as duas, dado que a segunda parte inquestionavelmente da primeira? Ou terão sido as duas?

O caos instalou-se ainda no início, com «Augúrios Primaveris», a segunda cena da primeira parte. O pulsar rítmico intenso, aliado à imagem ritual e primitiva do cenário (com o grande contributo de Roerich), deu origem a uma coreografia “violenta”, completamente distinta do ballet clássico ao qual o público estava habituado: “os corpos dos bailarinos voltados de costas para o público, os pés enfiados para dentro e as bacias rodando em contra-ciclo, as linhas orgânicas do bailado romântico contrariadas por diagonais autofágicas que sujeitavam os bailarinos a um movimento convulso” (Costa, 2013). Os insultos e assobios depressa escalaram de tom dando lugar às bofetadas, aos socos e pontapés entre os apoiantes do espectáculo e aqueles que se sentiam ultrajados. Quase no final da primeira parte, a polícia restabeleceu parcialmente a ordem, permitindo, pelo menos, a conclusão do espectáculo.

Diaghilev afirmou, depois, que tinha pretendido tamanho escândalo. Gabriel Astruc, proprietário do teatro, acendeu e apagou a luz continuamente tentando acalmar a sala. Este “queria um teatro “que pudesse ser testemunha da arte do seu tempo”, explica-se no livro que celebra o centenário do Théâtre des Champs-Elysées, mas o tempo não parecia preparado para a revolução que se vivia naquela noite” (Costa, 2013).

É certo que a música em «A Sagração da Primavera» representou uma ruptura com os cânones anteriores da composição, aventurando-se por novos caminhos, especialmente em termos rítmicos e de utilização dos timbres. A complexidade harmónica, que não é de desconsiderar, não sobreviveu contudo ao teste do tempo, no que a verdadeira inovação diz respeito. Quanto às suas características musicais importa, ainda, salientar a génese da obra: a música tradicional russa. O tema dos rituais pagãos insere-se na tradição russa pagã já explorada em obras de Mussorgsky ou Rimsky-Korsakov. Mas esta influência é ainda mais óbvia perante o facto do compositor ter recolhido muitos dos seus temas em canções populares lituanas de Juskiewicz, “uma comparação entre a partitura da Sagração e a antologia de Juskiewicz permite ver os mesmos contornos melódicos vestidos de ritmos diferentes. Esse facto dá uma grande unidade idiomática à Sagração da Primavera” (Pereira, nd).

Meses depois da estreia, a música de «A Sagração da Primavera» era já apreciada. “Jacques Rivière, na Nouvelle Revue Française escrevia (…) que “a grande novidade era a recusa do supérfluo”. “Eis aqui uma obra absolutamente pura. Tudo aqui é franco, intacto, límpido e rude. A Sagração da Primavera é a primeira obra-prima que podemos opor às do impressionismo” (Costa, 2013). Quando a obra foi apresentada em concerto (ou seja, não encenada), não causou qualquer motim. Já a coreografia de Nijinsky só voltaria a palco no ano de 1980. A tese de que terá sido a coreografia a causar o verdadeiro escândalo não se encontra de todo mal suportada.

«A Sagração da Primavera»: cenas

«A Sagração da Primavera» divide-se em duas partes: “Adoração da Terra” e o “Grande Sacrifício”.

Primeira parte:

  • Prelúdio: antes do levantar da cortina, escuta-se um solo de fagote no registo agudo, “no qual nos confrontamos com o momento que antecede uma nova gestação e o potencial infinito de crescimento que uma nova vida representa” (Pereira, nd). A textura orquestral vai crescendo, mas cada instrumento detém a sua individualidade, numa metáfora clara para o despertar da Primavera.
  • Augúrios Primaveris: nesta cena jovens adolescentes estão na companhia de uma mulher, na verdade misto de mulher e animal (que conhecerá os segredos da existência), que corre pela terra enquanto os jovens batem com os pés no chão ao ritmo do pulsar da Primavera – repetição da mesma anota com diferentes acentuações rítmicas.
  • Jogo do Rapto: a música é desenvolvida pelos metais e pela percussão, numa espécie de delírio rítmico e polifónico.
  • Danças Primaveris: segue-se uma marcha feminina de grande sensualidade, quando as jovens, uma a uma, saem do rio e juntam-se num círculo com os rapazes. Desta união, nascem diferentes tribos, que serão depois rivais. A flauta alto e o clarinete piccolo fazem a transição para a cena seguinte, trazendo uma espécie de calma depois do movimento agitado desta “origem” e do movimento agitado que se seguirá.
  • Jogo das tribos rivais: o conflito entre as tribos é anunciado pelos trombones e pelas tubas. Esta luta é identificada pela alternância de pequenos motivos entre os diferentes naipes da orquestra.
  • Cortejo do sábio: dominado pelos metais.
  • Adoração da Terra (O Sábio): o pontífice das tribos bendiz a Terra, sendo representado musicalmente por compassos de quase silêncio, em pianíssimo, de reduzida textura.
  • Dança da Terra: celebra-se a euforia da Primavera.

Segunda parte:

  • Prelúdio: “tem início com um estranho oscilar entre duas notas, um fundo musical quase autista que Stravinski descreveu como um “jogo obscuro das jovens adolescentes”. Entre elas, uma será a eleita para devolver à Natureza a força que lhe foi roubada pelo desflorar da Primavera” (Pereira, nd).
  • Círculo místico: o compositor retoma os contornos melódicas da cena “Danças Primaveris”, agora nas cordas. “É um momento lento, de alguma tristeza e grande expectativa sobre quem será a eleita” (Pereira, nd).
  • Glorificação da eleita: a escrita orquestral manifesta novamente aqui toda a sua complexidade, enquanto metáfora da força de natureza, no momento agitado da escolha da eleita, coroado com as pancadas secas dos tímpanos. Chamam-se, assim, os antepassados, num novo ritmo de marcha irregular, ao som de toda a orquestra.
  • Ritual dos antepassados: a cena inicia-se com um solo do corne inglês, que tem como pao de fundo o pulsar piano dos outros instrumentos, ao qual se veem juntar a flauta contralto e depois o clarinete. Os antepassados criam, aqui, um círculo em redor do lugar escolhido para o dito grande sacrifício.
  • Dança sacrificial: uma das jovens dança até à morte. “É o momento mais fantástico e misterioso de toda a obra. Começa lentamente numa dramaturgia rítmica e vai crescendo progressivamente na sua complexidade melódica e harmónica juntando diferentes instrumentos. A exaustão a que a jovem chega não é representada num jogo de velocidade mas numa multiplicidade polifónica que parece superar as faculdades humanas. Ao tomar consciência do estado em que a jovem se encontra, os antepassados aproximam-se do centro do círculo e erguem-na antes que ela sucumba. Ouve-se um arpejo nas flautas, ecoado nas cordas e no piccolo, e tudo termina. A Primavera foi consagrada” (Pereira, nd).
251 Visualizações 1 Total

References:

Costa, T.B. (2013). A verdadeira Primavera revolucionária. PÚBLICO. Em https://www.publico.pt/2013/05/29/jornal/a-verdadeira-primavera-revolucionaria-26603522

Kennedy, M. (1994). Dicionário Oxford de Música. Publicações Dom Quixote.

Pereira, R. (nd). A Sagração da Primavera. Acervo Casa da Música. Em http://www.casadamusica.com/pt/artistas-e-obras/obras/a/a-sagracao-da-primavera-igor-stravinski/?lang=pt#tab=0

251 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo