Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Impressionismo Musical

Impressionismo musical: conceito, características estilísticas e elenco de compositores influenciados pelo movimento.

Conceito

O termo impressionismo começou a ser utilizado a partir de 1874 nas artes gráficas para descrever as obras de Monet, Degas, Renoir, etc, cujos quadros evitavam contrastes agudos e procuravam exprimir a ideia de uma “impressão” da cena pintada. Evitando os contornos definidos e os pormenores claros, os pintores faziam uso dos efeitos de luz, cor e movimento, através de pinceladas de contrastantes tonalidades, para sugestionar ao observador um dado ambiente.

À semelhança das artes visuais, e como resposta aos excessos do romantismo, também a música seguiu a mesma linha, preferindo diluir a linha melódica através de jogos de sons dispersos, com o objectivo de sugerir uma imagem ou atmosfera no ouvinte, fugindo às emoções fortes e às narrativas claras.

O impressionismo na música desenvolveu-se a partir da segunda metade do século XIX e até meados do século XX, em França, em torno da sua dita figura criadora, Claude Debussy. Cerca de 20 anos depois do surgimento do impressionismo na pintura, ouviu-se o «Prélude à l’après-midi d’un faune» do compositor, que foi um marco para a manifestação musical impressionista. Além de Debussy, destacou-se também Maurice Ravel.  Curiosamente, o primeiro rejeitou abertamente a etiqueta de impressionista e o segundo manifestou o seu desconforto com o termo, considerando, a certo ponto, que não deveria ser aplicado à música.

Características estilísticas

De carácter sugestivo, a música impressionista está longe de ser vaga e mal definida, como muitos chegaram a afirmar. Harmonicamente, por exemplo, é no mínimo inovadora, caracterizando-se pela introdução de novos acordes, por vezes tonalmente ambíguos: acordes de 9.ª, 11.ª e 13.ª em vez de tríades, escala de acordes de 7.ª maior, movimento paralelo em grupos de acordes de tríades. Não era objectivo dos compositores, contudo, a anulação do sentido de tonalidade, procuravam simplesmente um esbatimento do mesmo, pelo qual faziam frequentemente uso, por exemplo, da escala de tons inteiros, escalas exóticas, dos modos e do cromatismo extremo. A passagem de dissonância para consonância acontecia também regularmente, sem a preocupação de resolução das épocas precedentes.

A música impressionista distingue-se pelo seu lirismo íntimo e solitário, pelo que as próprias ideias melódicas são curtas, muitas vezes suspensas, de modo a criar no ouvinte a ideia de etéreo e fantasioso. Ritmicamente, inspirou-se nas configurações algo vagas do cantochão e, fugindo à clareza e linearidade, recorreu a métricas irregulares e a frases assimétricas.

Influência do movimento

Além de Debussy e Ravel, destacam-se em França como representantes do impressionismo Erik Satie e Paul Dukas, embora o estilo deste último se aproximasse bastante do fim do romantismo. Fora de França, algumas obras de Ralph Vaughan Williams e Ottorino Respighi.

O impressionismo influenciou, ainda, Manuel de Falla, Frederik Delius, Isaac Albéniz, Camile Saint-Saëns e Francis Poulenc. No universo jazzístico, a música de Bill Evans denota a influência deste movimento, assim como a música de António Carlos Jobim, um dos pais da bossa-nova.

2190 Visualizações 1 Total

References:

Candé, R. (2004). História Universal da Música. Edições Afrontamento

Ferrão, N.S.M. (2010). Claude Debussy (1862-1918), um génio criativo do estilo musical impressionista. Em http://cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt/12445.html

Kennedy, M. (1994). Dicionário Oxford de Música. Publicações Dom Quixote.

Moore, D. (2008). Guia dos Estilos Musicais. Edições 70.

2190 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.