Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Renascimento

O termo Renascimento é comummente aplicado à civilização europeia que se desenvolveu entre 1300 e 1650, sobretudo no século XVI. O Renascimento como movimento artístico, surgiu em Florença, na Itália do século XV, um período marcante na história que representou muito mais do que a simples volta da arte greco-romana.

Chamou-se “Renascimento” em virtude da redescoberta e revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que direccionaram as mudanças deste período em direcção a um ideal humanista e naturalista. O termo foi registado pela primeira vez por Giorgio Vasari já no século XVI, mas a noção de Renascimento como hoje o entendemos surgiu a partir da publicação do livro de Jacob Burckhardt, A Cultura do Renascimento na Itália (1867), onde ele definia o período como uma época de “descoberta do mundo e do homem”.

Foi um período da história marcado por significativas mudanças culturais, ideológicas e científicas. De uma forma geral, podemos dizer que a principal característica deste movimento foi o humanismo. Desta forma, o homem passou a ver-se não simplesmente como um observador do mundo criado por Deus, mas sim como a principal expressão do mesmo. Cientificamente, o homem procurou abrir o pensamento e formular hipóteses e teorias, deixando de lado a religião e valorizando mais o homem.

Os pensadores e pintores renascentistas não se opunham à religião, mas buscavam a autonomia humana, o retorno à cultura clássica greco-romana, a valorização das potencialidades humanas, aprofundamento do emprego da razão, do espírito crítico, da criatividade e das experiências individuais, inovações técnicas e científicas, expansão da produção artística, o resgate do papel da mulher na renascença.

Com este novo enquadramento do homem no mundo, decorre, necessariamente, uma nova concepção do Universo. Para os renascentistas, o ser humano continuava a ser uma obra de Deus, contudo, possuidor do livre arbitrário para decidir sobre o seu destino. Exaltando a dignidade e a probidade do ser humano e a sua maravilha obra. Os humanistas conceberam o mundo e a história, como o registo das elevadas criações humanas, mais do que como o resultado inevitável do desígnio de Deus.

Nas artes, o Renascimento caracterizou-se, em linhas muito gerais, pela inspiração nos antigos gregos e romanos, e pela concepção da arte como uma imitação da natureza, tendo o homem num lugar privilegiado. Mas mais do que uma imitação, a natureza devia passar por uma tradução que a organizava sob uma óptica racional e matemática, num período marcado por uma matematização de todos os fenómenos naturais.

A arte renascentista teve como temática principal o próprio ser humano e a sua capacidade de avaliar o mundo ao seu redor. Tal característica envolveu a revalorização da cultura clássica e dos períodos de grande progresso científico e cultural das civilizações grega e romana. O cânone greco-romano de proporções voltava a determinar a construção da figura humana; também voltava o cultivo do Belo tipicamente clássico.

1920px-sandro_botticelli_-_la_nascita_di_venere_-_google_art_project_-_edited

Botticelli – O Nascimento de Vênus (La nascita di Venere, 1483-1485)

A pintura renascentista é em essência linear; o desenho era agora considerado o alicerce de todas as artes visuais e seu domínio, um pré-requisito para todo artista. Para tanto, foi de grande utilidade o estudo das esculturas e relevos da Antiguidade, que deram a base para o desenvolvimento de um grande repertório de temas e de gestos e posturas do corpo.

Começaram a fazer uso do realismo, da perspectiva e do claro-escuro, através dos princípios da matemática e da geometria. Cada artista possuía o seu estilo e individualidade e não estavam presos às regras como os artistas da Idade Antiga.

Principais representantes do Renascimento Italiano e suas principais obras: 

  • Giotto di Bondone (1266-1337) – pintor e arquitecto italiano. Um dos precursores do Renascimento. Obras principais: O Beijo de Judas,1304-1306; A Lamentação, 1304-1306; e Julgamento Final.
  • Michelangelo Buonarroti (1475-1564) – destacou-se em arquitectura, pintura e escultura. Obras principais: David, 1501-1504; Pietá, 1499; Moisés, 1513-1515; e a pinturas da Capela Sistina (Juízo Final é a mais conhecida)
  • Rafael Sanzio (1483-1520) – Obras principais: A Escola de Atenas, 1509; Deposição de Cristo, 1507. Também pintou várias madonas (representações da Virgem Maria com o menino Jesus).
  • Leonardo da Vinci (1452-1519) – pintor, escultor, cientista, engenheiro, físico, escritor, etc. Obras principais: Anunciação, 1472-1475; Última Ceia, 1495-1498; Mona Lisa, 1503–1507.
  • Sandro Botticelli 1445-1510) – pintor italiano, abordou temas mitológicos e religiosos. Obras principais: O nascimento de Vênus e Primavera, 1483-1485; A Primavera, 1482.
  • Tintoretto (1518-1594) – importante pintor veneziano da fase final do Renascimento. Obras principais: Paraíso, 1579; Última Ceia, 1592-1594.

Outra característica da arte do Renascimento, em especial da pintura, foi o surgimento de artistas com um estilo pessoal, diferente dos demais, já que o período é marcado pelo ideal de liberdade e, consequentemente, pelo individualismo.

A escultura renascentista é a forma de expressão que melhor representa o renascimento, no sentido humanista. Utilizando-se da perspectiva e da proporção geométrica, onde se destacam as figuras humanas, que até então estavam relegadas a um segundo plano, acopladas à arquitectura eclesiástica, templos ou nos capitéis. No renascimento a escultura ganha independência e a obra, colocada em cima de uma base, pode ser apreciada de todos os ângulos.

brogi_giacomo_1822-1881_-_n-_3180_-_firenze_-_galleria_-_bacco_di_michelangelo

Baco – 1496–1497, de Michelangelo

Destacam-se dois elementos: a expressão corporal que garante o equilíbrio, revelando uma figura humana com músculos torneados e de proporções perfeitas; e as expressões das figuras, reflectindo os seus sentimentos. Mesmo contrariando a moral cristã da época, o nu volta a ser utilizado reflectindo o naturalismo no seu mais puro sentido. Também se explora a temática mitológica, como o exemplo de Baco, de Michelangelo, assim como o busto ou as tumbas de mecenas, reis e papas.

Na arquitectura renascentista, a ocupação do espaço pelo edifício baseia-se nas relações matemáticas estabelecidas de tal forma que o observador pode compreender a lei que organiza toda a estrutura arquitectónica, de qualquer ponto em que se coloque.

Os arquitectos renascentistas percebem que a origem da construção clássica estava na geometria euclidiana, que usava como base das suas obras o quadrado, aplicando-se a perspectiva, com o intuito de se conseguir uma construção perfeita e harmoniosa.

Apesar de racional e antropocêntrica, a arte renascentista continuou cristã, apesar das novas igrejas adoptarem um novo estilo, caracterizado pela funcionalidade e portanto pela racionalidade, representada pelo plano centralizado, ou a cruz grega.

Os palácios também foram construídos de forma plana tendo como base o quadrado, um corpo sólido e normalmente com um pátio central, quadrangular, com a função de fazer chegar a luz às janelas interiores.

Em Portugal, a influência do Renascimento estende-se de meados do século XV a finais do século XVI. Influenciado positivamente os portugueses, no alargamento da visão do mundo dos europeus e estimulando a curiosidade humanista.

Nas artes, o renascimento surge em Portugal de uma maneira subtil, introduzindo-se muito lentamente nas manifestações artísticas. Mas como movimento artístico, nunca se conseguiu separar de uma forma total daqueles que foram os movimentos anteriores, como é exemplo claro o gótico. Nunca teve uma consistência própria, como aconteceu noutros países.

Durante o reinado de D. João II e de D. Manuel I existem a trabalhar em Portugal alguns artistas de origem italiana e francesa, mas é sobretudo com o reinado de D. João III que se assume a verdadeira importância do Renascimento e da sua inspiração clássica, ao ponto, de se enviar artistas para Itália para aprenderem as novas características estéticas e técnicas do movimento.

É sobretudo a nível da arquitectura e da escultura que podemos ver o movimento renascentista em Portugal a tomar forma, onde existiu uma conjugação entre a estética do Renascimento com o Gótico e o manuelino. Exemplo de isso é o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém e a janela do Capítulo do Convento de Cristo, em Tomar, dos arquitectos, Diogo Boitaca e Francisco de Arruda.

1280px-torre_belem_april_2009-4a

Torre de Belém, Francisco Arruda, c.1514, Lisboa

687 Visualizações 1 Total

References:

GOMBRICH, E. H. – A História da Arte. Lisboa : Ed. Público, 2005

JESTAZ, B. – L’Art de la Renaissance. Paris : Mazenod, 1984

HUYGHE, René (dir.) – L’Art et l’Homme. Paris : Larousse, 1957-1961

MIGNOT, Claude e RABREAU, Daniel (dir.) Temps Modernes: XVe – XVIIIe siècles. Paris: Edit. Flammarion, 1996

PANOFSKY, Erwin – Renascimento e Renascimentos na Arte Ocidental. Lisboa : Editorial Presença, 1989

PEREIRA, Paulo (dir.) – História da Arte Portuguesa. [s.l.] : Círculo dos Leitores, 1995

TOMAN, Rolf (ed.) – The Art of the Italian Renaissance. Köln : Konemann, 1995

687 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.