Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Academias

Academias, são instituições artistas, vocacionada para o ensino e promoção das suas actividades artísticas, literárias, científicas e físicas, filosóficas…

As academias são instituições destinadas à formação de artistas, vocacionada para o ensino superior e ensino universitário na promoção das suas actividades nomeadamente as artísticas, literárias, científicas e físicas, filosóficas, etc.

A palavra academia, tem origem do grego antigo – Ακαδήμεια (Akadémeia) e a partir do herói da mitologia grega, Akademos. Porque segundo a história o conceito provem da escola criada por Platão em 387 a.C., situada nos jardins consagrados ao herói ateniense Akademos e que, embora destinada oficialmente ao culto das musas, teve intensa actividade filosófica. Os filósofos e artistas seguidores dessa escola, partir deste momento, começam a ser chamados de académicos. Essa primeira Academia durou até o século VI da era cristã, quando o imperador romano Justiniano ordena o seu encerramento em 529, por considerar que era um antro pagão.

Durante o Renascimento e o surgir do Humanismo, o princípio da Academia tem novo fôlego, começando a difusão em Itália e propagando-se pelos demais centros europeus para que se pudesse levar a cabo o estudo de saberes relacionados com a filosofia, a arte, a música, a pedagogia, a cultura, a história, a arqueologia, a literatura, a filologia e a ciência. Nesta altura, a forma de constituição das academias mais comum foi a de congregação de estudiosos e eruditos.

Uma das novas academias mais relevantes foi a Academia Pomponiana (ou Academia Romana), fundada por Pompónio Leto em Roma, em meados do século XV, e que se dedicou ao estudo da filosofia, da arte, da arqueologia, da filologia e da poesia.

O surgimento das academias coincide com a crise dos ideais renascentistas expressa no maneirismo. Marca uma mudança radical no status do artista, personificada por Michelangelo Buonarroti, os artistas passam a ser considerados teóricos e intelectuais.

O método de ensino desenvolvido nas academias europeias se designa por academicismo ou academismo, este o método de ensino artístico profissionalizante concebido, formalizado e ministrado pelas academias de arte europeias. Este método estendeu sua influência sobre todo o mundo ocidental ao longo de vários séculos, desde sua origem na Itália em meados do século XVI.

As academias garantem a formação científica (geometria, anatomia e perspectiva) e humanística (história e filosofia), com aulas de desenho de observação e cópia de moldes. As academias são também responsáveis pela organização de exposições, concursos e prémios e periódicos e o controle da actividade artística e a fixação rígida de padrões de gosto.

Inspirado nos exemplos italianos, em Paris, em 1648, um grupo de pintores convence a Luís XIV a fundar a Académie Royale de Peinture et de Sculpture [Real Academia de Pintura e Escultura]. Dirigida pelo estadista Jean-Baptiste Colbert e pelo pintor e teórico da arte Charles Le Brun, a academia francesa confere à instituição um carácter renovado.

Aumentando a importância da França no mundo artístico europeu, apesar do prestígio de que ainda gozavam os artistas italianos, frequentemente empregados pela realeza francesa. Sem subestimar a importância de outros grandes artistas do século XVII, como Diego Velázquez, Rembrandt e Peter Paul Rubens, em 1666, Luís XIV funda a Academia Francesa em Roma, para que os franceses partilhem com os italianos o estudo das obras-primas do passado.

O momento de maior auge das academias foi durante o século XVIII, coincidindo com o ideário da ilustração, as academias se espalham pela Alemanha, Espanha, Inglaterra, conquistando grandes e pequenas cidades.

O século XVIII foi um momento de afirmação e difusão de uma cultura laica, enciclopédica e universal e de revolução política, quando o papel social da arte se explicita e, com ele, o apoio crescente do Estado às instituições de ensino artístico. Ainda que as críticas à academia se acentuem na França de fins do século, o que leva a sua dissolução em 1793, o período napoleónico conhece a revalorização dessas instituições artísticas, em 1816 é criada a Academia de Belas Artes.

Hoje em dia, a Academia é uma instituição educacional do profissional, artístico, técnico ou prático.

730 Visualizações 1 Total

References:

CALLE, Romà de la, ed. La Real Academia de Bellas Artes de San Carlos en la Valencia ilustrada. UNIVERSITAT DE VALÈNCIA, 2009

FERMÁNDEZ, Carlos Arturo. Concepto de arte e idea de progreso en la historia del arte. Editorial Univerdad de Antioquia, 2008

FLEMING, John e HONOUR, Hugh. Historia mundial del arte. 6ºEd. Ediciones Akal, 2004

PEVSNER, Nikolaus e PEREIRA, Vera Maria. Academias de arte: passado e presente. Coleção História Social da Arte. Companhia das Letras, 2005

730 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo