Artigo (gramática)

Apresentação da classe gramatical Artigo

Um artigo é uma palavra que forma uma classe gramatical de palavras da gramática da Língua Portuguesa e que se antepõem aos substantivos ou aos nomes para assim indicar se esses mesmos têm um sentido único e individual ou se os nomes e substantivos não são determinados, ou seja, se são indefinidos.

Designa-se por artigo as palavras que formam uma classe gramatical de palavras da gramática da Língua Portuguesa que servem para se antepor aos substantivos e aos nomes e que indicam se os mesmos têm um sentido único e individual que é determinado previamente pelo discurso ou pelas circunstâncias do contexto em que se insere, ou se os mesmos nomes ou substantivos têm um caracter não determinado por um sentido, contexto ou circunstância prévia e nesse caso, os artigos são chamados por artigos indefinidos, que não têm definição. Na expressão: “o príncipe” existe o artigo ‘o’ que indica que o substantivo ou o nome presente na expressão, no caso, “o príncipe” deve ser tomado um sentido único e individual para o substantivo que a circunstância do Reino e da Nação em que vive o autor da expressão atribui ao substantivo. O outro exemplo é a expressão “Uma princesa está pronta para casar com um digno príncipe.” ou então na expressão “um crime horrível merece morte”. Em ambos os casos os artigos “uma” e “um” indicam que se fala, na primeira expressão, a título de exemplo, de um individuo do sexo feminino pois o artigo está no singular e no feminino. No entanto, o sentido do artigo é vago…não é algo definido, não diz a quem se refere e engloba mais que uma pessoa, sendo que só destaca a categoria – no caso, “princesa”. Uma das princesas e um dos príncipes.

Artigos e a sua classificação

Os artigos, na gramática da Língua Portuguesa, estão inseridos nas classes de palavras gramaticais variáveis assim como os substantivos ou nomes, os adjetivos, os numerais, os pronomes e os verbos. Além da classe gramatical de palavras variáveis, a gramática da Língua Portuguesa tem ainda classes de palavras invariáveis que são constituídas pelos advérbios, peças conjunções, pelas interjeições e pelas adposições como a preposição, a posposição e a circumposição. Existem ainda as fusões de classes que são as combinações, as contrações e as crases.

Uma das características fundamentais dos artigos é que estes devem concordar com o substantivo ou nome em género (masculino ou feminino) e também em número (singular ou plural). São denominados por artigos as seguintes palavras:

  • Artigo Definido:

São: o, a, os, as

  • Artigo Indefinido:

São: um, uma, uns, umas

Não se pode confundir os artigos indefinidos com os numerais, no caso de “um”, que é usado para expressar e indicar a quantidade. Na frase “um homem da nobreza/uma mulher da nobreza” o artigo “um” pode, em alguns contextos, ser substituído pelo artigo “o”, no entanto nunca pode ser substituído pela expressão exatamente um.

Artigos e a sua utilização

  • Significado restrito do artigo

Os artigos devem preceder todos os substantivos em que cujo significado seja restrito seja pelo discurso ou por algum adjetivo que lhes seja empregue, exceto quando forem usados determinantes especiais. Geralmente utiliza-se o artigo definido (o, a, os, as) para dizer que aquele nome ou substantivo tem um significado de carácter individual e o artigo indefinido é usado para indicar que apesar de ter um único significado, o significado é vago e indeterminado.

  • Para determinar o substantivo em relação ao sujeito da oração

Exemplo: “O príncipe justo, que nos governa, é também pio e indulgente, um príncipe que é justo também deve ser pio e indulgente”.

Ou seja, é utilizado o artigo definido (o, a, os, as) quando se pretende falar de um individuo certo e o indefinido quando se pretende falar de um indivíduo vago. Em suma, nenhum substantivo ou nome pode ser sujeito de qualquer oração sem ser determinado de forma explícita ou implícita por algum demonstrativo geral ou especial.

  • Substantivação

Os artigos definidos (o, a, os, as) substantivam orações inteiras ou apenas algumas partes para se tornaram o sujeito ou o objeto do discurso:

– Substantivam o adjetivo: o lícito e o ilícito, o justo e o injusto

– Substantivam o verbo: Nas formas impessoais do verbo mas também nos exemplos seguintes “A natureza fez o comer para o viver”, “ A gula faz o comer muito para o viver pouco”.

– Substantiva as preposições: através do exemplo “O amor não está no por isso mas no porquê”

– Substantiva os advérbios: através do exemplo “ Não sabemos o quanto, o como e o quanto”

– Substantiva orações inteiras

Destaca-se ainda o facto de os artigos não poderem ser usados em sentido geral, quando o substantivo tem um sentido geral como em “Macaco não é homem”, quando o substantivo vem precedido de um determinativo especial de qualidade ou quantidade…nesse caso não é necessário o artigo. Além disso também não devem ser usados em nomes próprios de divindades, homens, cidades, vilas e lugares. Diz-se “Deus”, “Alexandre”, “Anabela”, “Lisboa” entre outros.

93 Visualizações 1 Total
93 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo