Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

2001: Odisseia no Espaço

Apresentação da obra cinematográfica «2001: Odisseia no Espaço»; visão geral sobre o filme; receção e impacto no público e na crítica…

Apresentação do filme: 2001: Odisseia no Espaço

“2001: Odisseia no Espaço” (1968) (título original, “2001: A Space Odyssey”) é uma obra cinematográfica, considerada como um dos melhores e mais importantes filmes de ficção científica alguma vez feitos e, em geral, um marco histórico do cinema. O filme teria a sua estreia nas salas do cinema numa altura em que a corrida ao espaço entre os Estados Unidos e a União Soviética era uma realidade bastante vincada e um assunto com bastante interesse por parte da opinião pública. Para além disso, coincidiria historicamente com as missões Apolo da NASA, as quais, como se sabe, teriam o seu apogeu de sucesso ao conseguirem fazer chegar um astronauta à Lua no dia 20 de Julho de 1969. O filme acabaria também por profetizar a forte presença e influência que a tecnologia informática teria no dia-a-dia das sociedades modernas.

2001_A_Space_Odyssey_(logo)

Visão geral sobre o filme

Tendo como realizador o excêntrico Stanley Kubrick, o seu trabalho apresenta características e temáticas filosóficas, dotado de uma visão de admirável magnificência. uma autêntica experiência visual fora do comum. Efectivamente, o filme dedica a maior parte do seu tempo no aspecto visual do espaço sideral, sobrepondo-se a momentos típicos de desenvolvimentos de enredo e de diálogo. Os espectadores são contemplados com uma obra maioritariamente não-verbal, apresentando uma história com uma vasta margem para interpretação sobre o seu significado. O tipo de opiniões sobre um filme de calibre tão abstracto como esta obra de Kubrick variam entre balizas mais e menos positivas. Há quem ache o filme uma verdadeira obra de arte do cinema; por outro lado há quem o ache demasiado desconcertante e aborrecido.

Stanley_Kubrick_The_Exhibition_-_LACMA_-_2001_A_Space_Odyssey_-_Bedroom_model_(8999723752)

O primeiro diálogo aparente no filme só ocorre à meia-hora de duração, e no total, o filme contém menos do que quarenta minutos de deixas verbais. A maior parte do filme é composta por puro silêncio (com vista a demonstrar ao espectador a sensação do que é estar em pleno espaço sideral), ou pelo som da respiração do ser humano dentro de um fato espacial. Era intenção de Kubrick apresentar a história do filme maioritariamente através de uma componente visual com muito pouco diálogo e comunicação humana. Todas as cenas do filme ou são compostas por diálogo ou música (ou silêncio), mas nunca ambas ao mesmo tempo.

O filme é preenchido por efeitos especiais impressionantes e pioneiros para a altura, e apresenta uma banda sonora composta por música clássica, editada e montada como verdadeiros movimentos orquestrais como se se tratasse de uma sinfonia. Conta com música de Richard e Johann Strauss, Gyorgy Ligeti e Aram Khatchaturian.

Em termos de temática, “2001: Odisseia no Espaço” foi um dos primeiros filmes a abordar o conceito e a ideia do espaço e de vida extraterrestre, muito antes da saga da “Guerra das Estrelas”, de “Encontros Imediatos do 3º Grau” ou de “ E.T. – O Extraterrestre”. O filme baseia-se na história “The Sentinel” escrita por Arthur C. Clarke em 1948. O argumento seria mesmo redigido por Clarke e Kubrick, e construir-se-ia como uma espécie de expansão do livro. Três meses depois da estreia do filme, Clarke acabaria por publicar um romance baseado no argumento do filme.

Recepção e impacto

A obra-prima de Kubrick não seria nomeada para Melhor Filme nos Óscares, mas, apesar disso, receberia quatro nomeações para aquela cerimónia na qual se incluíam: Melhor Realizador, Melhor Direcção de Arte, Melhor Argumento Original e Melhores Efeitos Especiais. Acabaria por arrecadar este último (curiosamente sendo o único Óscar que um filme de Stanley Kubrick alguma vez receberia). O filme acabaria mesmo por ser o grande derrotado da noite, com “Oliver!” como o grande vencedor, arrecadando um total de cinco Óscares.

A recepção crítica também não seria a melhor. A maior parte dos críticos mostrar-se-ia indiferente e pouco receptivos. O filme seria criticado pelo seu tom monótono e por falta de imaginação. Mas à medida que os anos foram passando, o filme ganharia popularidade, especialmente já no final dos anos sessenta com a comunidade hippie, para ser considerado, hoje em dia, como uma dos filmes visualmente e tematicamente mais impressionantes de todos os tempos

Anos depois, em 1984, seria realizado uma sequela por Peter Hyams, intitulado de “2010 – O Ano do Contacto” (título original, “2010”), adaptado a partir do livro de Arthur C. Clake, “2010: Odyssey Two” de 1982. Clarke publicaria ainda mais duas obras para completar a saga: “2061: Odyssey Three” e “3001: Final Odyssey”, ainda sem qualquer adaptação para o grande ecrã.

290 Visualizações 1 Total
290 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo