Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Basquiat, Jean-Michel

Jean-Michel Basquiat

Jean-Michel Basquiat

Jean-Michel Basquiat foi um artista norte-americano que se destacou nas áreas do graffiti e neo-expressionismo.

Basquiat nasceu a 22 de Dezembro de 1960 em Brooklyn, Nova Iorque (Estados Unidos da América), tendo contudo origens haitianas por parte do pai e porto-riquenhas por parte da mãe. A família de Basquiat era abastada, e desde cedo que a mãe, particularmente, o despertou para o mundo artístico, levando-o usualmente a diversas exposições. Jean-Michel foi uma criança precoce, que aprendeu muito cedo a ler e a escrever, e que revelou desde cedo uma acentuada veia artística e apurado sentido estético. Contudo, a infância e adolescência de Basquiat foram bastante conturbadas; os pais divorciaram-se, e o jovem mudou-se para Porto Rico por um período de 2 anos, após o qual Jean-Michel regressou a Nova Iorque. Em 1973, a mãe de Basquiat foi internada devido a problemas do foro psicológico; pouco tempo depois, com apenas 15 de anos, o jovem fugiu de casa, tendo-se tornado sem-abrigo por um curto período, após o qual foi capturado pela polícia e entregue à guarda do pai. No décimo ano, Basquiat saiu do liceu, sem nunca ter completado o ensino secundário, e ingressou na City-AS-School, uma escola técnica direcionada para o ramo artístico. Nesta altura, a sua relação com o pai atingiu um ponto de ruptura, e Basquiat foi expulso de casa, tendo ido viver com um grupo de amigos e subsistindo através da venda de t-shirts e postais ilustrados por si.

Em 1976, Basquiat iniciou aquela que viria a ser a sua mundialmente famosa carreira artística. Juntamente com o seu amigo Al Diaz, começaram a pintaram diversos graffiti na cidade de Nova Iorque, sob o pseudónimo SAMO[1]. O projecto, que chamou bastante a atenção a nível local, viria a acabar passado apenas dois anos, com o fim da amizade entre os dois artistas; o último trabalho foi a inscrição “SAMO IS DEAD”, deixada numa parede no bairro Soho. Contudo, pouco tempo depois a carreira artista de Basquiat a solo viu-se catapultada para o estrelato, quando o artista foi convidado pela Collaborative Projects Incorporated (Colab) a fazer parte da exposição The Times Square Show, juntamente com diversos artistas de renome na época; além de ter dado grande projecção ao trabalho de Basquiat, esta exposição permitiu também que este travasse conhecimento com outros artistas, especialistas e apreciadores da arte neo-expressionista, entre os quais se conta Andy Wahrol, com quem viria a desenvolver uma amizade e parceria artística. Além disso, o trabalho de Basquiat foi muito bem recebido por parte do público em geral, o que levou a um aumento exponencial do valor das suas obras. Nos anos que se seguiram, Basquiat continuou a produzir proliferamente, sempre ligado à corrente neo-expressionistas, tendo realizado diversas exposições, tanto nos Estados Unidos da América, como em diversos países da Europa e África.

Basquiat, contudo, nunca deixou para trás a vida conturbada que se iniciou ainda na sua infância, e era um ávido consumidor de droga e viciado em heroína e revelava sintomas de depressão severa; a 12 de Agosto de 1988, Jean-Michel Basquiat acabou por morrer de overdose no seu estúdio em Manhattan, com apenas 27 anos.

O artista deixou ainda assim um grande legado e uma marca na arte contemporânea; o seu trabalho evocava as suas raízes afro-americanas e latinas, fazendo referências à escravatura, racismo e repressão. A utilização que o artista fazia de diversos materiais, conferindo às telas texturas inesperadas, e os jogos contínuos com palavras, números, logótipos, diversos símbolos ou diagramas, a par com as cores fortes e pujantes, tornam o trabalho de Basquiat único e facilmente reconhecível, sendo ainda hoje exibido em diversos países, e com obras que ascendem a vários milhões de dólares.

 

111 Visualizações 1 Total

References:

[1] Abreviatura da expressão inglesa “same old shit”, que se pode traduzir para “o mesmo de sempre”, no sentido figurativo.

111 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter