Philip Johnson

Quem foi Philip Johnson

Philip Johnson foi um dos principais arquitectos da história da Arquitectura Mundial e principalmente norte-americano, um dos principais arquitectos do século XX, e o primeiro a ganhar o Prémio Pritzker.

Johnson foi descrito pelo júri do Pritzker como alguém que “produziu contribuições consistentes e significativas para a humanidade e ambiente construído. Como crítico e historiador, defendeu as causas da arquitectura moderna e projectou alguns de seus maiores representantes.”

Philip Johnson foi um dos responsáveis pelo termo The International Style, que passou a identificar um estilo arquitectónico funcionalista que defendia a ideia de que a arquitectura deveria ser industrial, económica e acessível. A Exposição Internacional de Arquitectura Moderna no Museum ofModern Art (MOMA) de Nova Iorque contribuiu para a divulgação deste movimento, tornando-o uma das tendências dominantes da arquitectura do século XX.

.……

Philip Johnson

(1906-2005)

Philip_Johnson.2002.FILARDO

Philip Johnson  .
.

Dados Biográficos

Nome: Philip Cortelyou Johnson
Nascimento: 17 de Agosto de 1906 – Cleveland, Ohio
Morte: 25 de Janeiro de 2005 (98 anos) – New Canaan, Connecticut
Nacionalidade: Norte-Americano
.

Cargos, Funções, Actividades Profissionais

Áreas em que se distinguiu: Arquitectura
Profissão/cargo: Arquitecto
Movimento Artístico: Estilo Internacional
Prémios: AIA – Instituto Americano de Arquitectos  “Gold Medal”; Prémio Pritzker
.
.
1906 1932 1949 1979 1984 2005
Nascimento

Organiza a Exposição Internacional de Arquitectura Moderna no Museum of Modern Art (MOMA) de Nova Iorque.

Constrói o seu projecto mais conhecido “Glass House”

Ganha a primeira edição do Prémio Pritzker

Projectou o icónico edifício AT&T, em Nova Iorque (hoje o Sony Building)

Morre.

.
. Importante: Clique para comentar ou colocar questões sobre este tema >>>

.……

Philip Cortelyou Johnson nasceu a 7 de Agosto de 1906 na cidade de Cleveland, em Ohio (EUA). Frequentou a Universidade de Harvard, onde se graduou em arquitectura e também fez um mestrado na área de História da Arquitectura. Philip Johnson, além desta formação académica, também teve uma especial formação ao lado de Marcel Breuer, um dos maiores arquitectos e designers da sua época, formado pela primeira geração de alunos da Bauhaus.

Uma vez terminados os estudos, Johnson aceitou um convite para ser o director do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MOMA), que havia sido inaugurado recentemente.

Em 1928, Johnson encontrou-se com o arquitecto Ludwig Mies van der Rohe, que na época acabava de projectar o pavilhão alemão para a Exposição Internacional de Barcelona de 1929. A reunião foi uma verdadeira revelação para Johnson e formou a base para um relacionamento profissional que durou ao longo da vida de ambos.

Durante a década de 30, diante da grande depressão pela qual passou os EUA, Johnson se voltou para o jornalismo e a política, somente retornando à arquitectura na década seguinte. Johnson também foi um crítico, escritor e historiador. Apesar de sua forte ligação com a arquitectura, somente aos 36 anos que Johnson elaborou o seu primeiro projecto arquitectónico.

Johnson foi um dos responsáveis pelo termo “International Style“, que passou a identificar um estilo arquitectónico funcionalista que pregava a ideia de que a arquitectura deveria ser industrial, económica e acessível.

A origem do termo se encontra no título de um livro publicado em 1932 por Henry-Hussel Hitchcock e Philip Johnson. No mesmo ano a Exposição Internacional de Arquitectura Moderna no Museum of Modern Art (MOMA) de Nova Iorque contribuiu para a divulgação do movimento, tornando-o uma das tendências dominantes da arquitectura do século XX. Nesse momento nascia o “Estilo Internacional”, alterando para sempre o curso da arquitectura moderna.

O International Style, ou “Estilo Internacional” foi um dos movimentos arquitectónicos e de design mais importante do século XX. Philip Johnson foi o seu grande entusiasta, partindo dele algumas das primeiras propostas dessa expressão.

Johnson conheceu e conviveu com alguns dos principais arquitectos da arquitectura moderna, como Le Corbusier e Mies Van der Rohe, sendo parceiro deste último na criação do famoso Edifício Seagram. Porém, o seu projecto mais conhecido e importante é a chamada “Glass House”, actualmente é considerada como património arquitectónico dos EUA, e está disponível para visitas. Inspirada na Casa Farnsworth de Mies van der Rohe, a casa de Johnson, com suas proporções perfeitas e simplicidade, é considerada uma jóia da arquitectura moderna.

Glasshouse-philip-johnson

Glass House by Philip Johnson, New Canaan, CT, USA

Construída em 1949, foi desenvolvida para si próprio como tese de mestrado quando foi aluno do célebre Marcel Breuer em Harvard. É um dos mais bonitos exemplos do modernismo americano, ainda que nada funcional. O próprio arquitecto se referia a ela como ‘o diário de um arquitecto excêntrico’.

Em 1967, une-se a John Burgee, para realizar um grande número de projectos. Johnson também formou parceria com outros famosos arquitectos, como Le Corbusier ou Mies Van der Rohe, e com este último, criou uma relação estreita, que futuramente se tornaria na parceria que resultaria na criação do projecto do famoso Edifício Seagram.

Homenageado em 1978 pelo AIA – Instituto Americano de Arquitectos com a “Gold Medal“, um ano depois foi agraciado com primeira edição do Prémio Pritzker, considerado hoje o prémio mais importante da arquitectura em todo o mundo.

Johnson também se envolveu com a chamada “Arquitectura Desconstrutivista” nos anos 80. A denominação surgiu a partir de uma exposição realizada no MoMA em 1988, que reuniu uma confluência de alguns trabalhos e incluiu nomes como Peter Eisenman, Frank Gehry, Zaha Hadid, Coop Himmelb(l)au, Rem Koolhaas, Daniel Libeskind eBernard Tschumi. A exposição, organizada em parceira com Marc Wigley, mostra o quanto Johnson foi importante na história da arquitectura do século passado.

A obra de Johnson não se limitou ao modernismo e em 1984 ele projectou o icónico edifício AT&T, em Nova Iorque (hoje o Sony Building), um arranha-céu pós-modernista de 197 metros de altura, famoso pelo seu estilo ornamental e semelhança com o edifício Humana, de Michael Graves. Outro dos edifícios famosos projectados por Philip Johnson, juntamente com John Burgee, é o Puerta de Europa em Madrid, duas torres inclinadas que se tornaram num ícone da capital espanhola e um dos símbolo da arquitectura de Johnson na Europa.

196 Visualizações 2 Total

References:

BJONE, Christian. Philip Johnson and His Mischief: Appropriation in Art and Architecture. The Images Publishing Group, 2014

ELDERFIELD, John. Philip Johnson and the Museum of Modern Art. Volume 6 de Studies in modern art. The Museum of Modern Art, 1998

SCHULZE, Franz. Philip Johnson: Life and Work. University of Chicago Press, 1996

196 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo